sábado, 25 de abril de 2020

Seu Chico, o Coronavírus, eu e os R$ 600 reais

Desde de meados de março que a Organização Mundial de Saúde - OMS declarou que estamos  em um estado de "Pandemia Global". Diante deste quadro muitos especialistas se posicionaram, emitindo suas reflexões sobre o tema. Nas cidades do interior  dos estados muitas pessoas também se manifestaram, argumentando conforme seus conhecimentos. 
Neste período de quarentena vim parar em Passa e Fica, cidade do agreste do RN. Conheci o seu Chico do Bode, um homem alto, magro, comerciante autônomo, agricultor, analfabeto e beirando os setenta anos de idade. Foi com ele que tive uma longa conversa sobre os dias atuais. Vejamos alguns trechos:

Seu Chico: ômi, eu tenho minha opinião sobre esta peste: tão fazendo um bicho danado. A minha avó contou coisas piores. Eu vejo que é tanto medo e todo mundo está preso.
Rafael: Como seu Chico?
Seu Chico: ômi, antigamente não tinha a televisão e nem essa tal de internet, só se tinha conhecimento das coisas pelas histórias dos mais velhos.
Rafael: O que sua avó lhe contou?
Seu Chico: Ah meu filho, eram muitas  histórias. Ela morou no Rio de Janeiro e conheceu muitas doenças tristes. Me falou que viu muitas pessoas morrerem com as pestes naqueles anos, principalmente das gripes. Mas, ela sempre ressaltou  uma coisa: o senhor sabe?
Rafael: Não, seu Chico.
Seu Chico:  Tudo culpa dos governantes, do descaso e da lentidão destes corruptos. E quem paga são os pobres e moradores de bairros pobres. Quantas pessoas morreram de doenças como varíola, febre amarela, gripes, tuberculo e miningite? Uma imensidão!  Os governantes só começam a agir quando um amigo ou um parente morre. Eles estão pouco se lixando para o povo. Querem apenas o poder. Roubar para ficarem ricos as nossas custas.
Rafael: Seu Chico o senhor é a favor da quarentena?
Seu Chico: Sim. Mas, estou preocupado: o país está parando. Começa a faltar mercadorias e tudo está aumentando de preço. Daqui uns dias vai faltar tudo e o povo morrerá de fome por não ter o que comer ou não ter dinheiro para comprar o que comer.
Rafael: O senhor se cadastrou no Auxílio Emergencial?
Seu Chico: Ômi, se este presidente não fizesse isto, o país parava.  Foi uma maravilha! Lá em casa minha mulher é cadastrada no Bolsa Família, recebeu R$ 1.200,00. Eu disse logo: a metade é minha!
Rafael: Mas seu Chico, a mulher sabe no que vai gastar.
Seu Chico: Ômi, quem paga a energia, a água, o gás, e as coisas do dia a dia?
Rafael: O senhor? Mas, o que ela faz com o dinheiro do programa?
Seu Chico: Coisas de Muié! Faz a feira (eu complemento), compra umas roupinhas para os netos, embeleza a casa,... Ômi, nunca vi o dinheiro render tanto.
Rafael: O senhor acha que esta quarentena vai acabar logo?
Seu Chico: Ômi, estou pedindo a Deus pra que tudo passe e, a vida vai continuar. Como dizia minha avó: "depois das tormentas, sempre vem o melhor". Quero que o povo brasileiro cresça e comece a trabalhar.
Rafael: Seu Chico estou indo, muito obrigado e um forte abraço!

Desta forma, finalizei o meu colóquio com seu Chico, um filósofo da vida.
   
Rafael Jácome




2 comentários:

Unknown disse...

Bom dia Pastor Rafael! Muito bom essas prosas do homem do interior. Possui muita sabedoria.

Unknown disse...

Bom dia Pastor Rafael! Muito boa matéria com homem do interior. Muita sabedoria para nós.Ok