domingo, 7 de junho de 2020

Covid-19: O pânico, o temor e as dúvidas geradas pelos gestores e promovidas pelas mídias, traumatizaram e tiraram a liberdade do povo brasileiro


Com medo do povo, Maia diz: ”Sou contra o parlamentarismo no Brasil” - Otávio Sá Leitão

Por Rafael Jácome

As consequências desta pandemia são imensuráveis: custos econômicos, sociais, de saúde e psicológicos. Ninguém é capaz de identificar as "feridas" deixadas pela Covid-19, tamanha a brutalidade da ação do vírus. Uma crise mundial foi implantada e absolutamente agressiva que paralisou desde as pequenas, como as grandes potências mundiais. Todas se viram diante de uma ameça completamente desconhecida. Mesmo depois de tantos enfrentamentos como à instituição do isolamento social e do lockdown total, a reabertura das atividades não garantem o "risco zero" de mortes.

O Brasil ficou atônito, dividido pela ordem do seu presidente Jair Bolsonário, que pediu a continuidade das atividades essenciais, com os cuidados necessários ao controle da pandemia, principalmente aos que pertenciam aos grupos de riscos, e a comunidade da saúde, comandada pela Organização Mundial da Saúde - OMS, que pedia o isolamento social de imediato.

Não foi feito nenhuma coisa nem outra: as mortes aumentaram e os gestores que decretaram Estado de Emergência e receberam bilhões de ajuda do governo federal,  permaneceram inermes aos resultados, mas, inteligentes e rápidos em suas promessas de prevenção.  Os cenários foram planejados, no entanto, poucas ações foram implementadas. A mais hilária de todas foi o cálculo de mortes feito pelo governo do estado do Rio Grande do Norte: 11 mil óbitos até o final do mês de maio - Ainda não superou os 370 nesta primeira quinzena de junho. Lamentável!

As consequências quem paga é a população. Em nível econômico está ocorrendo a estagnação de muitas atividades, desemprego, comércios fechados e produtos com elevação de preços. Mas, há também custos de saúde (consultas, exames e operações adiadas) e custos psicológicos, dos quais pouco se fala, devido ao encarceramento e déficit social. O pânico, o temor e as dúvidas geradas pelos gestores e promovidas pelas mídias, traumatizaram e tiraram a liberdade do povo brasileiro.

É hora de sair deste buraco! O Brasil necessita de unidade para enfrentar e vencer esta difícil realidade da pandemia. Os gestores devem parar de pensar em 2022, viver o momento presente e, assim, tomar medidas cabíveis para decretar o fim do Coronavírus.

Nenhum comentário: