quinta-feira, 11 de junho de 2020

O Batman, o Bruce Wayne, o povo, o político e as tetas do governo

Batman

Por Rafael Jácome

O cenário é perfeito para pedirmos ajuda do nosso querido Batman, aliás, o Brasil está repleto de "heróis mochilas", aqueles que saem enchendo o que podem com o dinheiro público. A criatividade é fenomenal: guardam nas cuecas, nos apartamentos, nos sótãos, nos paraísos fiscais, nos laranjas, nas pandemias. É impressionante!

É tanto roubo que não conseguimos identificar os tipos de ladrões, aliás, uns se destacam: os de paletós, outros de togas, alguns com caneta nas mãos, muitos que, apesar de não serem Rômulo e Remo, sugam ferozmente as tetas do governo, além, é claro, do ladrão de galinha. Este último, coitado, é o único que poderá ser preso e não liberto.

O Brasil é uma Gotham City ampliada em todos os aspectos: na criminalidade, na violência, em mortes, na corrupção, enfim, é um vendaval de "destroços" que ninguém consegue mais juntar. Tá na hora de chamar o Batman!

Neste cenário montado, não pela DC Comics, mas no meu pouco juízo, o atual presidente Jair Bolsonaro poderia ser a figura do comissário da polícia Jim Gordon, porém com estilo bem rústico, bruto, utilizando de muito escárnio e autoritarismo. Sempre atento, quando necessita aciona o Batman, porém, neste contexto os dois não se entendem. 

O Batman, pasmem, é o STF - "Habilidoso em todas as formas de combate corpo a corpo ou com armas e ainda o maior detetive do mundo: mestre em fugas, disfarces e explosivos, inventor, cientista, acrobata, piloto. É especialista em ocultar-se, entra e sai de lugares sem ser notado. Por ser humano Batman é vulnerável as armas de fogo, mesmo com sua toga a prova de balas, que não resiste ao tiro direto, sendo assim Batman (que só aparece a noite) utiliza as técnicas que aprendeu durante o treinamento na Liga das Sombras, que consistem em usar as sombras e lugares escuros, como as armações de madeira de um casarão, de baixo do chão das docas, o canto escuro de uma casa, o teto de um corredor usando luvas com gancho e várias outras opções que cada situação oferece, para se ocultar silenciosamente e derrubar um por um dos inimigos armados, pois consegue migrar de um desses esconderijos para qualquer outro sem que seus inimigos percebam; tais inimigos armados, por não saber onde o herói está, ficam extremamente vulneráveis a ataques surpresa" (Extraído da Wikipedia).

Rodrigo Maia: não tem personagem melhor para ser o Robin! Conhece tão bem o Batman, que sabe sua verdadeira identidade. Estão sempre enrolados nas noites arquitetando para derrubar os inimigos. O povo é o seu maior inimigo!

O senado é o mordomo Alfred Pennyworth, que às vezes é o Batman do Batman. É o seu mais importante aliado e sempre dá algumas dicas subliminarmente para o Batman e suas parcerias.
 
Outro personagem que destacamos é o de Bruce Wayne, bem representada pela figura do político brasileiro, que se mostra perante a sociedade como um playboy irresponsável e superficial que vive da fortuna herdada dos pais (conquistada quando os mesmos  investiram nas tetas do governo) ou dos lucros obtidos pelas Empresas dos grandes cartéis de corrupção; Contudo, Wayne também é conhecido por suas contribuições para caridade, especialmente através de sua Fundação. Essa personalidade de Bruce Wayne foi inventada por ele para evitar que alguém desconfiasse de seu alter ego, às vezes fingindo-se bobo e egoísta para que ninguém o descubra. (adaptado da Wikipedia) 

A Constituição, que está sendo rasgada, é a grande vilã. 

Neste cenário o povo caminha sem entender a impunidade: os seus ditos heróis, agora são escárnios da corrupção. Aparentemente esta relação das personagens  pode ser até uma brincadeira, mas, a realidade é devastadora: não tem jeito para haver mudança no país. O Brasil caminha para a estagnação plena social, econômica, política, religiosa, ... é uma pandemia de mau-caratismo. 

Nenhum comentário: